Glazing

Vidração – Dar Vida a uma peça de cerâmica

Um vidrado cerâmico é uma substância vítrea que se funde à superfície da cerâmica, por imersão, pulverização ou escovamento, de forma a criar um revestimento selado na cerâmica chacotada (1ª cozedura), tornando-a impermeável e segura á alimentação. A vidração melhora a qualidade das peças tanto a um nível funcional como estético. Não só torna a cerâmica mais segura como lhe dá vida através das cores e padrões usados. A vidração torna as peças mais simples em verdadeiras obras de arte.

No que toca à vidração as possibilidades são infinitas. Há cores, padrões e técnicas sem limite que se podem criar através dos vidrados. Uma vez que estes são feitos de químicos e compostos, cada um reage de forma diferente com as diferentes argilas. A beleza deste facto é que cada peça, quer seja criada artesanal ou industrialmente, será única.

Tipos de vidrados

Os vidrados cerâmicos podem ser classificados de várias maneiras, porém, se se utilizar a temperatura como parâmetro são classificados como: vidrados de baixo fogo, médio fogo e alto fogo. 

Vidrados de baixo fogo são cozidos a temperaturas de 900º a 1050º C. Estes são ótimos para quando se tem um design muito específico e controlado em mente, pois as cores resultantes são brilhantes, previsíveis e não se misturam muito quando derretem. Estes são mais usados em cerâmica de faiança.

Vidrados de médio fogo são cozidos a temperaturas de 1050º a 1200º C. As cores tendem a variar mais e a derreterem-se juntas, criando efeitos romantizados. Este tipo e vidrado é mais usado em cerâmica de grés.

Vidrados de alto fogo são cozidos a 1200º C, criando uma cerâmica vítrea e forte. Estes são apenas usados em cerâmica de porcelana e as suas cores são mais limitadas.

Processo de vidrar cerâmica

1º Misturar os vidrados com água

Os vidrados são essencialmente feitos de três ingredientes: formadores de vidro, fluxos e estabilizadores. Dependendo do tipo de vidrado as proporções destes 3 ingredientes variam.

Numa taça, misturam-se os vidrados, com o respetivo corante, com a água, tendo em atenção a consistência e a textura da mistura.

Making glazes

2º Aplicar o vidrado à cerâmica chacotada

Dependendo do efeito pretendido, os vidrados podem ser aplicados por imersão, pulverização ou escovamento.

Antes de aplicar o vidrado é importante limpar as peças de cerâmica para que estejam totalmente sem pó, e de misturar os vidrados o melhor possível. Quando os vidrados são postos de lado para assentar, os sedimentos mais pesados decaem para o fundo do balde, sendo por isso importante misturar o vidrado apropriadamente antes de o usar para assegurar uma consistência fluente e homogênea.

3º Cozedura final

O corpo cerâmico é colocado no forno para cozer pela segunda e última vez. O forno é lentamente levado à temperatura certa para a sílica do vidrado derreter, e de seguida é lentamente arrefecido.

Esta cozedura torna a peça de cerâmica sólida e resistente, impermeável e segura para alimentação.

Amostras de vidração

Embora trabalhoso, as amostras de vidração são um processo necessário. Dado as infinitas possibilidades de reação entre os diferentes vidrados e as diferentes argilas, é importante testar e saber exatamente como vai ficar, pois assim que a peça passa pela 2º cozedura o processo é irreversível.

As amostras de vidração são a altura ideal para explorar diferentes cores, técnicas e padrões. Importante registar tudo para recriar novamente no produto final.

Se gostou deste post e quer saber mais sobre os processos de manufatura de cerâmica carregue aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top